• 4 SET 13

    Biblioteca básica (Valor Econômico)

    Crise, risco, guerra e colapso são temas recorrentes na lista de livros que foram essenciais para a formação de alguns dos mais renomados gestores brasileiros.

    Por Luciana Seabra, de São Paulo

    Saber quando tudo deu errado. A história dos momentos de crise é uma valiosa fonte de conhecimento segundo administradores de recursos. Cinco gestores de renome listaram, a pedido do Valor, 19 livro s essenciais para sua formação. Obras que tratam de risco, de períodos de estresse econômico e de teorias para lidar com eles são presença de peso nas prateleiras.

    Um livro apareceu na lista de três dos gestores — “Against the Gods”. O rol de títulos em inglês mostra que a preferência é pelos originais das obras. Nesse caso, há uma versão em português, com o nome “Desafio aos Deuses: A Fascinante História do Risco”.

    O livro mais indicado é um relato histórico do conceito e das percepções de risco a partir da história das grandes bolhas financeiras, explica Paulo Bodin, o discreto fundador da gestora Tempo Capital. Pensar adequadamente os riscos e os retornos possíveis de qualquer investimento, diz, é fundamental. “Conhecer a história ajuda a evitar cometer os mesmos erros do passado”, afirma Bodin. “O título diz tudo, imperdível”, afirma sobre a mesma obra Arminio Fraga, fundador da gestora de recursos Gávea Investimentos e ex-presidente do Banco Central.

    A história também é o foco do outro livro indicado pelo gestor da Tempo Capital como essencial para sua formação. “Wealth, War & Wisdom” (em português, Riqueza, Guerra e Sabedoria), do investidor Barton Biggs, é, segundo Bodin, uma interessante análise de investimentos no longo prazo, descrevendo a fundo o mercado durante a segunda guerra mundial.

    A presença de peso de John Maynard Keynes na biblioteca básica dos gestores também é um sintoma do interesse pelas crises. Como autor ou tema, o economista inglês aparece na lista de dois gestores, com três obras. “O mundo em que estamos vivendo hoje é muito keynesiano”, afirma Luiz Carlos Mendonça de Barros, diretor-estrategista da Quest Investimentos. A crise americana, considera, se encaixa bem nesse arcabouço teórico. “Um período de boom leva a uma série de exageros dentro do próprio sistema, vinculados à ganância e à especulação, que acabam criando uma crise que interrompe esse processo de crescimento”, explica Mendonça de Barros.

    O sócio da Quest diz que seu otimismo quanto à recuperação da economia dos Estados Unidos está ligado ao fato de considerar que o governo do país tem seguido a cartilha keynesiana. Na lista recomendada por Mendonça de Barros, chama a atenção a indicação de “A Arte da Guerra”, do chinês Sun Tzu. O livro ensina as técnicas para vencer um conflito bélico. “Po r q u e investir ou gerir fundos é uma guerra, é bom estar esperto”, brinca o economista que, em tempos de novas tecnologias, ainda é apegado ao livro de papel. Em viagens longas, entretanto, ele faz uma concessão às obras digitalizadas. “Viajar para fora e levar livro virou um negócio de velho reacionário. E isso eu não sou.”

    Keynes também está na lista indicada por Arminio Fraga. Não na versão macroeconomista, mas na pele de investidor. Biógrafos contam que ele fez fortuna com ações, em uma faceta menos conhecida. Sobre períodos de estresse, o fundador da Gávea indica “Manias, Panics and Crashes”, de Charles Kindleberger (Manias, Pânico e Crashes, na tradução para o português). É um clássico sobre crises financeiras, diz Fraga, baseado em eventos históricos e inspirado em Hyman Minsky, economista que estudou o surgimento da instabilidade a partir da estabilidade, “visão hoje muito em voga por razões óbvias”, diz Fraga.

    O megainvestidor americano Warren Buffett também aparece em duas listas — de Mendonça de Barros e do presidente do grupo Opportunity, Dório Ferman. Nas versões brasileiras, os títulos são “A Bola de Neve” e “O Jeito Warren Buffett de Investir”. “No livro percebemos que o segredo de Warren Buffett está em sua simplicidade”, afirma Ferman sobre a segunda obra.

    Dentre as indicações de Ferman está também, na versão em português, “Quando os Gênios Falham”. O livro, resume, mostra como um grupo de gestores, movidos por ambição desmesurada, cometeram os tradicionais pecados da gestão de recursos e trouxeram prejuízos irrecuperáveis aos seus clientes. “Uma divertida leitura, com lições importantíssimas”, afirma Ferman.

    O hábito de leitura, diz o sócio do Opportunity, está no dia a dia da gestora. “Desde a criação da empresa, já elegemos alguns títulos que passaram a ser leitura recomendada para a formação de nossos profissionais”, conta. As indicações estão listadas no site do programa de seleção e treinamento de profissionais da gestora. Para disseminar a cultura, desde 2006 a casa presenteia anualmente os clientes com um novo livro que passa a integrar a chamada “Coleção Opportunity de Livros”.


    A lista de Roberto Vinhaes, sócio e cofundador da gestora Investidor Profissional (IP), tem até ficção. A trilogia “Fundação”, de Isaac Asimov, se desenrola em torno da expectativa de um colapso do império humano, com a destruição de todo o conhecimento acumulado. Para Vinhaes, a série faz pensar sobre como lidar com os momentos de crise, tanto de forma previsível quanto sobre “como criar uma estrutura que seja capaz de lidar com os imprevistos”.

    A presença maciça dos livros que tratam de crises nas recomendações dos gestores casa com o momento de alta volatilidade nos mercados globais. Enquanto a turbulência não passa, uma maneira de pensar em como ganhar dinheiro com ela, ou apesar dela, pode ser se dedicar a uma das leituras indicadas.